The Wall 40 Anos

Salve, salve galera PoaCult!!!!

 

Existem muros, reais e fictícios, que separam a humanidade. Alguns de concreto — como os de Berlim ou o que pretende criar o presidente Donald Trump na fronteira dos EUA com o México. Outros como autodefesa, uma barreira ilusória para afastar o indesejado. Esses serviram até de inspiração para o universo das artes, como é o caso do clássico The Wall (1979), do Pink Floyd. O álbum narra a trajetória de Pink, um rockstar fatigado que se impõe um isolamento da sociedade simbolizado pela expressão que dá nome ao trabalho. São desse registro as emblemáticas composições ‘Another Brick in the Wall’ (partes 1, 2 e 3), ‘Mother’, ‘Hey You’ e ‘Comfortably Numb’.


Na contramão da ideia do disco, com intuito de agregar diferenças, que foi pensada uma homenagem especial à obra da banda inglesa formada à época por Roger Waters (voz e baixo), David Gilmour (voz e guitarra), Nick Mason (bateria) e Richard Wright (teclado).
A iniciativa está agendada para o sábado, 30/11 — data exata de lançamento do álbum —, no Opinião. Como o objetivo é conciliador, pensou-se em juntar rock com música clássica. Por isso, o evento “The Wall 40 Anos” coloca no palco a banda Perfect Sense sob regência do ensaiador Sérgio Vargas, além da participação de uma orquestra de cordas.

 

Imperdível!!!

O Que: THE WALL 40 ANOS

Quando: 30/11, às 20h
Onde: Opinião

End.: Rua José do Patrocínio, 834

Classificação etária:14 anos
Horários:
18h — abertura da casa
20h — THE WALL 40 Anos por Perfect Sense

Ingressos
PREMIUM
Área em frente ao palco
Inteira — R$ 150,00
Solidário — R$ 80,00 *
Meia — R$ 75,00 **

CAMAROTE
Área no Mezanino com Cadeiras
Inteira — R$ 110,00
Solidário — R $60,00 *
Meia — R$ 55,00 **

PISTA
Área do primeiro piso da casa
Inteira — R$ 80,00
Solidário — R$ 45,00 *
Meia — R$ 40,00 **
* Solidário — limitados e válidos somente com a entrega de 1kg de alimento não perecível na entrada do show.
** Meia-entrada — para estudantes são válidas somente as seguintes carteiras de identificação: ANPG, UNE, UBE’s, DCE’s e demais especificadas na LEI FEDERAL Nº 12.933. Não será aceita NENHUMA outra forma de identificação que não as oficializadas na lei.

Pontos de venda (sujeitos à taxa de conveniência):
Online (em até 12x no cartão)
www.sympla.com.br

Lojas (somente em dinheiro)
SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA:
Verse — Lindóia (Av. Assis Brasil, 3522/loja 101). Fone (51) 3372-8100.

COM TAXA DE CONVENIÊNCIA:
Verse — Galeria Chaves (Rua dos Andradas, 1444/loja 6). Fone: (51) 3105-3370.

* A organização do evento não se responsabiliza por ingressos comprados fora do site e pontos de venda oficiais.
* Será expressamente proibida a entrada de câmeras fotográficas profissionais e semiprofissionais, bem como filmadoras de qualquer tipo.

PERFECT SENSE:


A banda Perfect Sense surgiu no inverno de 2005, quando três vizinhos e amigos de longa data — Antônio Gomes (baixo), Leonardo Bacchi (bateria) e Rodrigo Quadros (guitarra) — decidiram aprofundar-se na psicodelia do grupo inglês Pink Floyd e suas demasiadas nuances.


Impactados pelo brilhantismo da musicalidade de David Gilmour aliada à genialidade e profundidade das letras de Roger Waters, o grupo gaúcho procurou desde o início trazer o melhor desses dois gênios, incluindo em seu repertório canções tanto da banda original como de seus trabalhos solos — demonstrando essa preocupação ao nomear o projeto com uma música de Waters.


Com esse objetivo, os porto-alegrenses se apresentaram inúmeras vezes na capital gaúcha desde sua estreia na Cia. de Arte, passando por diversos bares do circuito local, até seu derradeiro show no Opinião tocando na íntegra o aclamado Dark Side of the Moon.
Apresentações pelo Interior do estado também foram feitas, sempre procurando acrescentar qualidade e informação audiovisual (as clássicas projeções floydianas e conteúdos originais foram usados em alguns shows).


No final de 2013, a banda fez uma pausa nas atividades devido à mudança de alguns de seus membros fundadores. Porém, com o posterior regresso à terra natal, e a chama reacesa pelas recentes apresentações de Gilmour e Waters no país, o grupo retomou as atividades. A formação foi reforçada com Ricardo Dastis (vocais), Egon Halfen (guitarras) e Vinícius Möller (teclados), focando em performances ainda mais profundas.


Por isso, foi decidido homenagear os 40 anos de um dos mais icônicos álbuns da história do rock (The Wall) de uma forma jamais feita por um tributo no Rio Grande do Sul.

SÉRGIO VARGAS


Músico desde 91, toca guitarra, violão, bandolim, piano, viola de arco, bateria e diversos instrumentos de percussão. Também estuda o processo de canto desde jovem. Entrou em um coro em 1993 e, além de cantar, também aprendeu regência, harmonia funcional, contraponto e fuga, além de instrumentação.

Em 1995, assumiu o coro municipal de Viamão, no qual trabalhou por cinco anos. Em paralelo, tentou montar uma banda para tocar composições próprias. Vem dessa época seu interesse pelo processo de ensaio. Nos anos 2000, acompanhou corais, substituiu músicos, fez trilhas para teatro e cinema e ganhou um prêmio Açorianos em 2004 pela trilha original da peça infantil O Pintor.


Ainda regeu pequenos coros e acompanhou outros. Tocou guitarra em bandas de standards em Porto Alegre. Entre elas, Vintage Café, Metamorfose, Strangers, Black Bull e O Nó da Corda. Participou também da orquestra Engrenagem.


Por gosto pessoal, conhece bem o cancioneiro português e, em diversas formações, como no grupo Alma Lusitana, tocou bandolim com esses repertórios.
Acompanhou, em 2006, como ensaiador, o Departamento de Tradições Gaúchas Estancia Província de São Pedro em turnê na Espanha e em Portugal. Em 2009, foi chamado para lecionar em um projeto social do SESI, e ensaiou a orquestra da iniciativa, que tinha por volta de 120 músicos, durante dois anos.


Essa experiência reorientou os estudos de Sérgio e, durante a última década, ele tem se capacitado para a função específica de ensaiador e de violista. Sérgio tem conhecimento de instrumentação, da voz e dos processos de canto, de harmonia e de fenomenologia rítmica. Também é dono de um estúdio chamado Caixa de Madeira e grava há pelo menos 15 anos.

 

*crédito da foto: Ricardo Dastis.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

OPEN Feira de Design - Edição Especial de Natal

1/10
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Categorias
Some elements on this page did not load. Refresh your site & try again.

© Site orgulhosamente criado pela equipe PoaCult para você.

Faça contato conosco, envie e-mail para poacult@poacult.com.br